domingo, 29 de abril de 2018

MARY SHELLEY Official Trailer (2018) Elle Fanning, Maisie Williams Movie HD







Nada como uma boa notícia cinematográfica, nestes tempos de " remakes" descenessários

Que venha ela!



    O Demonologista-Andrew Pyper




O Demonologista, Andrew Pyper, Darkside Books, 2015, Rio de Janeiro.
Título Original- The Demonologist, Simon & Schuster, 2013, NY, USA






" "Solidão", prossigo. " É isso que toda essa obra realmente significa. Não o bem contra o mal, não um esforço para 'justificar as atitudes de Deus para com os homens' (...)o inferno é real. Não um fosso escaldante, não um lugar acima ou abaixo de nós, mas em nós, um lugar em nossa mente. Conhecer-nos a nós mesmos e, em troca, suportar a eterna lembrança de nossa solidão. Ser banido. Vagar sozinho. " (pág. 18)

" Meu nome é David Ullman. Sou professor do Departamento de Inglês da Univesidade de Columbia em Manhattan, um especialista em mitologia e narrativa religiosa judaico-cristã, apesar de meu verdadeiro ganha-pão, o texto cujo estudo crítico garantiu minha posição na Ivy League e convites para várias inutilidades acadêmicas em todo o mundo, ser Paraíso Perdido, de Milton" (pág.19)

" "Por que você precisa de mim?" eu me ouço dizendo, no entanto. "Há um bocado de professores de Inglês por aí"
   "Mas poucos demonologistas" (pág 31)


Andrew Pyper é um "velho conhecido meu", seu livro The Killing Circle" foi lido por mim duas vezes.
Há algumas semelhanças no tocante aos personagens principais do livro  "The Killing Circle" e este "O Demonologista", ambos envolvidos com a escrita, com as palavras e seu significado, ambos perderam seus filhos de uma forma quase sobrenatural.
Em O Demonologista, o autor concentra-se na obra -prima de John Milton, "Paradise Lost", sendo este seu objeto de estudo e como citado acima, seu " ganha pão"
MAS.... não será somente isso que o livro representará nesta intrigante e perspicaz história; significará sua própria salvação e de sua filha Tess, através das pistas deixadas em seus versos, assustadoramente citados por seres enviados pelo Anjo Caído.
Após ser intimado para dar sua opinião sobre um caso estranho em Veneza, David e sua filha Tess ( que tem inúmeras semelhanças psicológicas com o pai), embarcam em uma viagem tenebrosa através de pistas macabras contidas no livro de Milton . Quando Tess desaparece misteriosamente, David se alia a sua amiga O' Brien, e juntos tentam desvendar o mistério por trás dos trágicos acontecimentos até o desfecho final.
Para o leitor que se deixa levar pelo título, julgando que irá encontrar cabeças rodopiando, garotinhas levitando, e todo o "clichê" esperado em livros ou filmes que envolvem palavras como demônios, exorcismos, possessão, terá uma feliz e inteligente surpresa com a leitura deste livro.
Não se trata de Demônios no sentido lato da palavra, mas dos próprios demônios que devemos exorcizar dia a dia, para a nossa própria redenção pessoal.
Altamente recomendável.

"Millions of spirituals crriatures walks the earth
Unseen, both when we wake, and when we sleep" (Jonh Milton, Paradise Lost)

" Long is the way and hard, that out from Hell leads up the light" ( Jonh Milton, Paradise Lost)
 
The book trailer 1





The book trailer 2












domingo, 25 de março de 2018



           Mindhunter- John Douglas e Mark                       Olshaker









Mindhunter, John Douglas e Mark Olshaker, Intrínseca, 1ª ed, 2017, Rio de Janeiro.
Título Original: Mind Hunter: Inside the FBI's Elite Serial Crime Uinit, Scribner, 1995,  Usa.





" Coloque-se na posição do caçador.
É isso que preciso fazer.Pense em um daqueles documentários sobre a natureza: um leão nas planícies do Serenti, na África. Ele avista uma enorme manada de antílopes ao redor de um olho d'água. Mas de alguma maneira ( que conseguimos notar em seus olhos), o leão se concentra em apenas um entre milhares de animais. Ele é treinado para detectar fraqueza, vulnerabilidade, alguma coisa diferente naquele antílope que o torna uma presa mais fácil em meio à manada.
O mesmo ocorre com algumas pessoas.(...)O que motiva esses caras é a emoção da caçada. " (pág. 22/23)

"Comportamento reflete personalidade" ( pág. 23)


" No entanto , um novo tipo de criminoso violento emergiu recentemente: o criminoso em série, que não costuma parar até que seja capturado ou morto, que aprende com a experiência e costuma se tornar cada vez melhor no que faz, aperfeiçoando constantemente seu cenário a cada crime cometido. Digo "emergiu" porque, de certa maneira, ele provavelmente sempre esteve entre nós, desde muito antes da Londres vitoriana de Jack, o Estripador, que costuma ser considerado o  primeiro assassino em série. E digo "ele" porque, por motivos que abordarei depois, todos os assassinos em série são homens." (pág. 27)


" Durante todos os meus anos de pesquisa, lidando com criminosos violentos, nunca me deparei com um que tivesse o que eu consideraria um histórico bom  e uma família funcional e solidária. Acredito que a maioria dos criminosos violentos é responsável por seus atos, pelas escolhas que fez, e deve encarar as consequencias. É ridículo afirmar que alguém não compreende a seriedade de seus atos porque tem apenas quatorze ou quinze anos.

Aos oito, meu filho Jed já entendia havia muito tempo o que era certo e o que era errado." (pág. 372)

" O dragão nem sempre vence e estamos fazendo o possível para garantir que vença cada vez menos. Mas o mal que ele representa- a coisa contra a qual lutei durante toda a minha carreira- não vai embora, e alguém precisa contar a história real. Isso foi o que tentei fazer, a partir do que eu mesmo vivi." (pág 373)


Well, uma das coisas contra as quais eu mais lutei em sala de aula é o uso de gírias em textos formais, argumentativos, ou mesmo narrativos a não ser que o personagem assim o peça.

E eis que me deparo com essas expressões sendo usadas neste livro, o que penso que o empobrece gramaticalmente falando.
Mas tirando isso, o livro é muito bom, é um relato de um dos autores, John Douglas, que dizem, inspirou o agente John Crawford em O Silêncio dos Inocentes, de Thomas Harris.
Vários casos mediáticos e outros nem tanto são relatados aqui com um ritmo perfeito, como se estivéssemos a ler um livro de ficção.
A história de vida de Ed Kemper, contada em detalhes sinistros pelo próprio Kemper, talvez seja uma das mais completas e por que não dizer, cativantes do livro.
Kemper tem um Q.I. acima da média e tem plena consciência de seus inúmeros crimes, que culminou na morte de sua mãe ( seu verdadeiro alvo desde o início) , a qual infligiu a ele tortura psicológica durante a infância e adolescência.
Detido desde 1973, atualmente com 67 anos, concedeu duas entrevistas ao FBI a fim de contribuir para o entendimento dos analistas comportamentais sobre a personalidade do serial killer.
Os assassinatos de crianças em Atlânta em 1981 é outro caso de destaque no qual toda a história é relatada até se chegar ao assassino Wayne D. Williams, julgado em 1982.
Outro caso interessante que depois saltou da realidade para o cinema é o caso de Robert Hansen, um padeiro no Alasca, que começou por caçar animais selvagens e passou a caçar prostitutas que capturava e soltava na floresta.
O filme veio com o título de Sangue no gelo, com John Cusak no papel de Robert.
Penso que o livro trouxe uma contribuição esclarecedora sobre a análise comportamental de assassinos em série, porém fica sempre uma pergunta a nós, leitores: por que à vezes "eles" vencem?
Onde está a lição que se tira de um caso em que uma garota do Ensino Médio, é brutalmente assassinada e depois outra menina de apenas nove anos com o mesmo destino, até que o sequestrador foi apanhado?
E quantos outros casos brutais em que o assassino não é apanhado?
Talvez, Stephen King esteja certo ao afirmar que " Monstros e fantasmas existem, e às vezes, eles vencem"
Triste.
Boa leitura!



Ed Kemper

Ed Kemper's Mother

Wayne D.Williams- homicíos de crianças em Atlânta

Robert Hansen- Caçador do Alasca

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017



                   
                        Objetos Cortantes- Gillian Flynn




Objetos Cortantes, Gillian Flynn, Intrínseca, 2015, Rio de Janeiro
Título Original- Sharp Objects, Crown Publishing Group, 2006 NY






" ' Por quanto tempo teremos sua companhia, querida?', ela diria.
Significando: ' Quando você vai embora?" (pág. 12)

"Wind Gap era tóxica para mim. Aquela casa era tóxica para mim" (pág.45)

"Não me incomodo de contar as histórias de Wind Gap para Richard. Não sentia nenhuma fidelidade especial à cidade. Era o lugar onde minha irmã morrera, o lugar onde eu começar a me cortar. Uma cidade tão sufocante e pequena que todos os dias você esbarrava em pessoas que odiava. Pessoas que sabiam coisas sobre você. É o tipo de lugar que deixa marcas." (pág.79)

"- Quando você pensa em quem cometeu os assassinatos, tem alguém em mente?" (pág. 165)


" - Quando uma criança sabe, tão jovem, que sua mãe não se importa com ela, coisas ruins acontecem" (pág.239)

Estamos diante de um brilhante livro, como aliás, é comum em se tratando de Gillian Flynn, " Garota Exemplar", foi o primeiro livro que li da autora, fantástico, ainda na lista de espera para a resenha aqui no blog.
Objetos Cortantes, é um livro sobre rejeição.
E sobre os terríveis desastres que ela causa às pessoas, é um livro sobre uma garota querendo desde a infância entender o motivo da rejeição da mãe.
É uma história sobre sofrimento. E assassinatos cruéis.
Escrito de forma exemplar, o livro nos traz a história de Camille Preaker, repórter em Chicago, que é enviada pelo seu jornal de volta à sua cidadezinha natal, Wind Gap, para cobrir o desaparecimento de uma menina e a morte brutal de outra da mesma idade.
Ao regressar, Camille tem que lutar para sobreviver emocionalmente em casa da mãe que a rejeitou desde a infância, e lidar com a meia irmã Amma, adolescente manipuladora e caprichosa.
Na tentativa de descobrir o que aconteceu às meninas , Camille se envolve com a podridão tóxica da pequena cidade, seus moradores e seus segredos obscuros, e, principalmente envolve-se na mente perigosa e inconsequente de Amma, cujo dom de usurpar e descartar pessoas, relações, amizades, a leva a consequências irreparáveis.
Objetos Cortantes, é mais que um livro de mistério, é denso, cortante, dilacerante.
Diálogos fortes e bem construídos.
Altamente recomendável.
Palavra.



BOOK TRAILER


Sharp Objects by Gillian Flynn Fanmade Trailer







SHARP OBJECTS....

sábado, 2 de dezembro de 2017



                  Caixa de Pássaros- Josh Malerman





Caixa de Pássaros, Josh Malerman, Intrínseca, 2015, Rio de Janeiro




Bird Box, Josh Malerman, Harper Collins, 2014, NY


" Os três vivem assim. Ficam bastante tempo sem sair. E, quando saem,estão vendados.
As crianças nunca viram o mundo exterior à casa. Nem pelas janelas. E Malorie não o vê há mais de quatro anos." ( pág.8)

" O mundo exterior, os shoppings e os restaurantes vazios, os milhares de carros abandonados, os produtos esquecidos nas prateleiras ociosas das lojas: tudo exerce uma pressão sobre a casa. Tudo sussurra o que os espera lá fora." (pág. 12)

"Enfim, depois de quatro anos de esperae treino, tentando encontrar coragem para ir embora,ela rema para longe do cais, da margeme da casa que protegeu a ela e aos seus filhos pelo que pareceu uma vida inteira" (pág. 17)

" A canção comunal dos pássaros aumenta e chega ao auge antes de baixar de tom, contorcer-se e ultrapassar os limites.Malorie a ouve como se estivesse dentro dela. Como se estivesse presa em um aviário com milhares de pássaros malucos. Parece que uma gaiola se fechou com todos eles lá dentro. Uma caixa de papelão. Uma caixa de pássaros. Bloqueando o sol para sempre." (pág. 220)

Ora bem, depois de muita publicidade sobre o "Caixa de Pássaros", resolvi lê-lo para ver se todo o alrde feito em relação a ele era pertinemte.
Na minha opinião, não era.
Já li algumas resenhas, opiniões, assisti a alguns videoblogs sobre o livro e chego à conclusão de que leitores muito jovens se encantam com pouca coisa e a mídia se aproveita disso.
Leitores pouco experientes ficam deslumbrados com certos autores, jovens e igualmente sem experiência. Fato.
O leitor de suspense, terror, mistério, ou seja lá como quiserem chamar, ou tem uma boa base vinda dos clássicos como King, Lovercraft, Poe, Blackwood, os irmãos Grim, ou então vai ser atirado numa espiral de best sellers sem fundamento e acharão tudo uma maravilha.
Josh Malerman, começa bem a narrativa, mas perde-se por completo em um percurso tortuoso, como o da personagem Malorie, o que me parece é que o autor escreveu o livro de olhos vendados assim como seus personagens.
A narrativa não segue uma lógica esperada, ou nem sequer inesperada como os filmes de Lynch, o enredo, ao se perder, parece ser jogado de um lado ao outro no banco de trás de um carro capotando.
A tal criatura que ninguém vê, mas se sente, não tem a consistência de, por exemplo, a criatura do filme A VILA,deM. Night Shymalan.
E, os pássaros, na passagem em que Malorie e seus filhos estão prestes a chegar à margem segura do rio, vêm claramente de Hitchcok, ou do livro A METADE SOMBRIA  de Stephen King.
A grande diferença é que nos dois primeiros, seja o filme ou o livro, estamos a falar de dois gênios em ação. Não é definitivamente o caso de Malerman.
As passagens na casa coletiva liderada pelo personagem Tom, parecem uma mescla de muitos filmes de terror em cabanas abandonadas, o livro que está em posse de Gary , supostamente roubado, lembra os diários de antigos profetas insanos, como por exemplo no filme DEAD EVIL.
Louvável, porém é a trajetória de Malorie e seus filhos que nunca viram a luz do dia, é a redenção de uma mãe a fazer seu papel de proteger, cuidar e encontrar um porto seguro aos filhos.
No mais, a meu ver, o livro é uma colcha de retalhos, de filmes , livros, séries, enfim, uma mescla do melhor que já se fez em literatura, cinema e televisão, revisitado por um amador.
O autor também tem uma banda de rock, esperemos que toque melhor que o que escreve.
E como se tornou hábito nos dias que correm, aí vem o lançamento do filme baseado no livro, penso que não há mais adaptações como nas décadas anteriores.
Torna-se desnecessário passar para as telas o que já é ruim escrito.
Abro uma excepção para THE SINNER, adaptção feita pela Netflix do livro A Pecadora, mas isto fica para uma próxima postagem.
Quem quiser se arriscar, boa leitura... bird box...enfim...



O autor e sua banda de rock, High Strung






Book Trailer: